O que estudamos em cada disciplina do 5º período de Letras?

Como mais um semestre chegou ao fim, venho falar um pouco sobre o que estudamos em cada disciplina desse 5º período de Letras.

SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA:

Aprendemos o que é o SINAES (que avalia as instituições de ensino, os cursos e estudantes). Também retomamos alguns conceitos de cultura, arte, filosofia, educação ambiental, entre outros. Fizemos reflexões de assuntos necessários ao curso de Letras na universidade (leitura e escrita, o papel do professor, gramática), assim como o mercado de trabalho.

LITERATURA BRASILEIRA II:

Começamos com os romances de José de Alencar, passando pela poesia de Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo e o Condoreirismo de Castro Alves. Depois passamos para o Realismo com Aluísio Azevedo, o Parnasianismo e o Simbolismo até chegar ao grande Machado de Assis.

SINTAXE II:

Nesta disciplina estudamos toda a sintaxe do período composto que se divide em subordinação e coordenação. Também vimos a Colocação Pronominal.

TEORIA DA LITERATURA III:

Confesso que essas disciplinas de Teoria da Literatura são as que tenho mais dificuldade. Aqui estudamos a consciência estrutural de Saussure e Levi-Strauss, a análise estrutural e semiológica em Roland Barthes, a estética da recepção, a sociedade do espetáculo, o pós-estruturalismo, entre outros.

ESTÁGIO SUPERVISIONADO II:

A disciplina de estágio possui as 10 aulas e fóruns para responder, porém não temos exercícios no fim de cada aula e nem provas. O que vai contar como nota são as fichas e relatório de estágio (o que já é bastante coisa). Atente-se com o prazo, pois existe data limite para enviar as fichas, relatórios e a declaração da escola que você fez o estágio, onde diz que você cumpriu a carga horária do estágio (já tem um post aqui no blog ensinando como enviar esses arquivos:  https://goo.gl/e4tCzu).

LITERATURA COMPARADA:

Aprendemos o conceito de comparação e o nascimento da literatura comparada. Estudamos também alguns aspectos da literatura comparada (escola francesa, escola americana e escola soviética), a construção do conceito de intertextualidade. Percorremos em solos brasileiros estudando a história da literatura comparada aqui no Brasil e também vimos o conceito de estudos culturais.

LITERATURA AFRICANA DE LÍNGUA PORTUGUESA:

Quero deixar registrado que adorei essa disciplina. Aqui estudamos o conceito de proprium da África, a colonização, resistência e o papel do escritor africano. Vimos também as literaturas Angolana, Cabo-Verdiana, Guineense, Moçambicana e a de São-Tomense.

HISTÓRIA DOS POVOS INDÍGENAS E AFRODESCENDENTES: (ELETIVA)

Aprendemos mais sobre o impacto cultural de contato entre os europeus e os índios no século XVI, as novas discussões sobre o apresamento indígena, a mão de obra indígena e africana junto com formação do sistema escravista. Vimos também a resistência à escravidão e a questão da religiosidade. As teorias raciais e interpretações sobre o Brasil e a questão da mestiçagem também foram abordadas.

AquaRio – Rio de Janeiro

Olá, pessoal! Hoje venho com mais fotos do AquaRio, um lugar incrível que conheci na última vez em que estive no Rio de Janeiro.  As informações abaixo foram retiradas do próprio site deles.

SOBRE: 

A cidade do Rio de Janeiro, com uma vocação natural para o turismo ligado ao mar, há muito merece um Aquário Marinho de visitação pública de nível internacional. O Aquário Marinho do Rio de Janeiro, ou AquaRio, é um equipamento de visitação pública, 100% privado, moderno e multifuncional de educação, pesquisa, conservação, lazer, entretenimento e cultura, que cria a oportunidade da Cidade do Rio de Janeiro oferecer a visitação de um espaço único com atrações e tecnologias inovadoras pouco vistas no Brasil.

Com 26 mil m² de área construída e 4,5 milhões de litros de água, o AquaRio é o maior Aquário Marinho da América do Sul e terá até 8 mil animais de 350 espécies diferentes em exposição. Diversas atrações inéditas, recintos e tanques grandiosos e toda a infraestrutura necessária proporcionarão um entretenimento educativo e prazeroso ao público.

Uma das maiores atrações do AquaRio é o tanque principal, o Recinto Oceânico e de Mergulho. Com 3,5 milhões de litros de água, sete metros de pé-direito e um túnel passando por seu interior, a combinação da impressionante massa d’água, com a grande quantidade de peixes, proporcionará uma experiência incrível e usualmente pouco acessível à grande maioria: a oportunidade de participar de um mergulho real com peixes, raias e tubarões. Além disso, há mais 24 tanques secundários e áreas específicas (três tanques de toque) onde o público, especialmente as crianças, poderá interagir com alguns dos animais expostos.

O AquaRio tem um grande componente tecnológico: o Aquário Marinho Virtual. São instalações que permitem total interatividade para que o visitante tenha acesso a conceitos e informações sobre as espécies que não podem ter contato direto com o público, por motivos de segurança, saúde pública ou mesmo para evitar estresse aos animais.

O AquaRio tem também um forte componente museológico: o Museu de Ciências. Exposições permanentes e temporárias sobre os mais variados temas relacionados ao ambiente marinho e aquático estarão disponíveis para agregar mais conhecimento ao visitante e para garantir a preservação de acervos e coleções científicas.

Por meio de suas instalações e equipamentos, o AquaRio dará suporte a um Centro de Educação Ambiental, que promoverá programas, eventos, festivais e cursos relacionados às questões ambientais, e a um Centro de Pesquisa Científica, que, a partir do manejo e manutenção dos animais em cativeiro, realizará pesquisas científicas nas diversas áreas da biologia e da veterinária em contato direto com Universidades e Centros de Pesquisa.

ENDEREÇO:
Praça Muhammad Ali, Gambôa – Rio de Janeiro – RJ – Brasil.

SITE: http://www.aquariomarinhodorio.com.br/

INGRESSOS:

Ingresso individual: R$ 80

Ingresso promocional: R$ 60* 
– Moradores do Estado do Rio de Janeiro.
– Pessoas nascidas no Estado do Rio de Janeiro.

Ingresso tarifa reduzida: R$ 40*
– Crianças de 3 a 11 anos.
– Jovens de 12 a 21 anos (Brasileiros).
– Estudantes do Estado do RJ (Todas as cidades).
– Estudantes até 24 anos (Brasileiros de outros Estados).
– Maiores de 60 anos (Brasileiros).
– Pessoas com deficiência e 01 (um) acompanhante. 

Gratuidade: Crianças menores de 3 anos / Guias de Turismo.

  • Em todos os casos, será necessário apresentar documento comprobatório.

Funções da Linguagem

Emissor – Emite, codifica a mensagem.
Receptor – Recebe, decodifica a mensagem.
Mensagem – Conteúdo transmitido pelo emissor.
Código – Conjunto de signos usados na transmissão e recepção da mensagem. (Língua Portuguesa)
Referente – Conteúdo relacionado a emissor e receptor.
Canal – Meio pelo qual a mensagem circula.

Cada um desses elementos presentes no esquema da comunicação se relaciona uma função específica da linguagem. Lembrando que um texto pode haver mais de uma função, mas sempre há uma que predomina.

1. Função Emotiva ou Expressiva: (eu, sentimentos) Centralizada no emissor, numa expressão pessoal sobre o que é enunciado. Suas marcas típicas no discurso são a presença da primeira pessoa.

Função Emotiva

2. Função Conativa ou Apelativa: (ordem, pedido, propaganda) Centrada no receptor com finalidade de obter da pessoa a quem se dirige o texto um comportamento adequado ao que lhe é dito. Suas marcas linguísticas são a presença da segunda pessoa.

Função Conativa ou Apelativa

3. Função Referencial: (denotativo, jornal, livros) Centralidade no contexto ou referente que permite falar-se dos objetos do mundo, dos objetos perceptíveis ou imaginários. Suas marcas são a terceira pessoa e os dados relacionados ao mundo real (informação).

Função Referencial

4. Função Poética: (brincar com a palavra) Centralizada na mensagem referindo-se a um mundo novo, criado pela linguagem: é a função predominante nas obras literárias, ainda que não seja exclusivo delas.

Função Poética em anúncio

5. Função Fática: (ter resposta) Centrada no canal ou contato entre o emissor e receptor, cuja finalidade é verificar a eficiência do canal de comunicação. Suas marcas são os sinais de interrupção como “não é?”, “entendeu?”, “alô?”. Também são exemplos de função fática as falas da exigência social, em que de fato nada se comunica, além de estabelecer-se uma relação social transitória entre falantes.

Função Fática

6. Função Metalinguística: Centrada no código que permite esclarecer significados do código utilizado e além disso, também caracteriza os textos que falam de si mesmo, os que permitem falar de metatexto, metateatro, etc.

O Itaú criou uma propaganda falando sobre metalinguagem, um comercial para explicar o comercial.

Obs: Neologismo é a criação de uma nova palavra, muito utilizado no universo literário. Veja o vídeo abaixo:

Livraria Cultura no Rio de Janeiro

Olá, pessoal! Aproveitei que fui ao Rio de Janeiro ontem e fiz alguns passeios bem bacanas e aos poucos vou postar aqui para vocês, ok? Hoje, começarei mostrando algumas fotos que fiz da Livraria Cultura, no centro do Rio.

Inaugurada em dezembro de 2012, a segunda maior unidade da Livraria Cultura ganhou o Centro do Rio de Janeiro em um projeto de revitalização do antigo Cine Vitória, desativado há mais de duas décadas. Preservando o estilo art decó, com base no qual o prédio foi originalmente concebido, os quatro andares que compõem a unidade se integram de maneira a dar a sensação de um grande centro cultural. A loja conta, ainda, com uma filial do Teatro Eva Herz, com 177 lugares.

Unidade: Rua Senador Dantas, 45 – Centro – Rio de Janeiro – RJ

Horário de funcionamento:
Segunda a Sábado – – Das 9h às 21h
Domingos – – não abre
Feriados – – Das 10h às 16h

SITE: http://www.livrariacultura.com.br/loja/livraria-cultura-cine-vitoria-2100006

 

Programas que mais gosto na TV Escola

Olá, pessoal! Hoje, vou comentar quais são os programas que mais gosto da TV Escola. A TV Escola é um canal de televisão pública do Ministério da Educação destinada aos professores, educadores, alunos e a todos interessados em aprender. A TV Escola não vai “dar aula”, ela é uma ferramenta pedagógica disponível ao professor: seja para complementar sua própria formação, seja para ser utilizada em suas práticas de ensino.

AO PÉ DA LETRA

O programa é sobre a nossa amada Língua Portuguesa e tem duas versões, ALUNOS e PROFESSORES. Na primeira, visa ajudar os alunos sobre alguma dificuldade que eles tenham em relação a gramática. Já o formato dos professores, tem como auxiliar a prática profissional em sala de aula.

 

HORA DO ENEM

O objetivo do programa é ajudar e revisar as disciplinas que caem no Enem. Sempre com convidados (professores e especialistas no assunto), a Hora do Enem é um programa bem interessante para ajudar os vestibulandos.

 

MESTRES DA LITERATURA

O programa visa mostrar os nomes clássicos da nossa literatura e fazer comentários sobre a vida do autor, destacando curiosidades e suas obras.

Figuras de Linguagem

Olá, pessoal! Hoje, vamos conversar um pouco sobre as figuras de linguagem. Impossível neste post passar todas as figuras, pois são muitas, mas pretendo abordar as principais. Este conteúdo é estudado tanto na disciplina de Literatura, como em Língua Portuguesa. Vocês podem reparar que existem muitas figuras de linguagem em textos literários (poesia e músicas).

Dever de casa: Deixe nos comentários um trecho de uma música e classifique qual figura de linguagem representa. Prometo que vou corrigir.

Os desvios da norma culta que visam ao reforço da mensagem vão constituir as figuras de linguagem.

FIGURAS DE SOM (FÔNICAS)

Assonância

  • Aliteração: repetição ordenada dos mesmos sons consonantais.

ex: “Esperando, parada, pregada na pedra do porto.”

  • Assonância: repetição ordenada dos mesmos sons vocálicos.

ex: “Sou um mulato nato no sentido lato
mulato democrático do litoral.”

  • Onomatopeia: criação de uma palavra para imitar um som.

ex: “Logo o pendulo se movia, de um lado para outro, tique-taque, tique-taque…”

Onomatopeia

FIGURAS DE CONSTRUÇÃO OU SINTAXE:

  • Elipse: omissão de um termo facilmente subentendido.

ex: Naquele país, muitos médicos competentes. (omissão de “há”).

  • Zeugma: omissão (elipse) de um termo que já apareceu antes.

ex: “O meu pai era paulista
Meu avó, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano (omissão de “era”).

  • Polissíndeto: repetição de conectivos na ligação entre elementos da frase ou do período.

ex: “E sob as ondas ritmadas
e sob as nuvens e os ventos
e sob as pontes e sob o sarcasmo
e sob a gosma e sob o vômito.”

  • Assíndeto: a ausência de conectivos na ligação dos elementos da frase ou do período chama-se assíndeto.

ex: “A barca vinha perto, chegou, atracou, entramos.”

  • Hipérbato: Mudança da ordem natural dos termos na frase.

ex: “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante.” 

Pleonasmo

  • Pleonasmo: termos que repetem a mesma ideia com o fim de enfatizar. Trata-se, pois, de uma redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem.

ex: Vi com meus próprios olhos.

  • Anáfora: repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases.

ex: “Olha a voz que me resta
Olha a veia que salta
Olha a gota que falta.”

FIGURAS DE PENSAMENTO

  • Antítese: aproximação de termos contrários, de termos que se opõem pelo sentido.

ex: “Durante o frio, fosse o calor.”

  • Ironia: utilização de termo com sentido oposto ao original, obtendo-se, assim, valor irônico.

ex: O seu aproveitamento na escola não podia ter sido melhor: reprovado em apenas seis matérias.

  • Eufemismo: substituição de uma expressão por outra menos brusca. Consiste em suavizar alguma ideia desagradável.

ex: Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de roubou)

Eufemismo

  • Hipérbole: exagero de uma ideia com finalidade expressiva.

ex: Estou morrendo de sede. (em vez de com muita sede)

  • Prosopopeia ou Personificação: atribuição de predicados próprios de seres animados a seres inanimados.

ex: “Havia estrelas infantis a balbuciar preces matinais no céu deliquescente.”

  • Gradação: apresentação de ideias em progressão ascendente ou descendente.

ex: “Um coração chagado de desejos
Latejando, batendo, restrugindo.”

FIGURAS DE PALAVRAS

Metáfora

  • Metáfora: acontece quando é utilizada uma substituição de termos que possuem significados diferentes, atribuindo a eles o mesmo sentido.

ex: “Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (observe que o que está em negrito passa a designar “pensamento”).

  • Metonímia: é o uso da parte pelo todo. Ocorre quando o autor substitui uma palavra por outra próxima. É usada para evitar repetições de palavras no texto.

ex: Pão para quem tem fome. (pão em lugar de “alimento”)
Eu adoro ler Maurício de Sousa. (ler a obra e não o autor)

  • Catacrese: ocorre quando atribuímos um nome a algo que não possui nome específico, fazendo referências a outras coisas e objetos. ATENÇÃO: É um tipo de METONÍMIA.

ex: céu da boca, asa da xícara, pé da mesa, batata da perna, embarcar no ônibus.

  • Sinestesia: é um jogo da mistura das sensações (nossos 5 sentidos: tato, paladar, visão, audição e olfato).

ex: Ela sentiu o sabor frio da derrota. (sensações diferentes: paladar e tato)

Livro: Duas novelas de amor – Fernando Sabino

Olá, pessoal! Hoje, venho com a indicação de outro livro do Fernando Sabino, Duas novelas de amor. Como vocês sabem, eu adoro os livros autor e suas obras por serem leves, me fazem relaxar. Em Duas novelas de amor, temos duas histórias totalmente diferentes que tratam de relações amorosas e o aspecto feminino.

A primeira história “O outro pai” conhecemos Silvana e sua relação familiar. Essa relação contém uma revelação inédita, que faz com que a moça repense toda sua vida e sua própria existência como mulher. Já na segunda história “Noite Única”, fala sobre o amor na vida de Ester, uma mulher separada que já não acreditava no amor.