Canais relacionados ao curso de Letras

Indicarei hoje alguns canais relacionados ao universo das Letras que mais gosto e que vale a pena conhecer!

BRASILEIRICES 

O canal Brasileirices foi um achado do ano! Ela traz a visão de área profissional que existe para quem faz Letras, o ensino para estrangeiros. Com vídeos rápidos, Camilla dá dicas e conta como é a experiência de ser professora de Português para estrangeiros.

MEU CANAL – LUCAS RAMON

O Lucas também é estudante de Letras – Português pela Estácio EAD.  O canal  traz várias informações sobre educação a distância, assim como sua experiência com o curso e dicas sobre a nossa Língua Portuguesa.

LINGUÍSTICA DESCOMPLICADA – RAÍNE MACEDO

O Linguística Descomplicada nasceu para facilitar a vida dos estudantes e curiosos da Linguística. A Raíne é uma nordestina que explica tudo de uma forma tão simplificada e objetiva que fica tão mais fácil. Aconselho vocês a terem um caderninho do lado para irem fazendo suas anotações no decorrer do vídeo.

NOVO PROFESSOR

O canal Novo Professor é recheado de dicas para professores novatos. São dicas práticas de vivência de sala de aula como dividir o seu conteúdo no quadro, como planejar suas aulas, impostação de voz, entre outros. Com certeza, foi mais um achado do ano.

Funções da Linguagem

Emissor – Emite, codifica a mensagem.
Receptor – Recebe, decodifica a mensagem.
Mensagem – Conteúdo transmitido pelo emissor.
Código – Conjunto de signos usados na transmissão e recepção da mensagem. (Língua Portuguesa)
Referente – Conteúdo relacionado a emissor e receptor.
Canal – Meio pelo qual a mensagem circula.

Cada um desses elementos presentes no esquema da comunicação se relaciona uma função específica da linguagem. Lembrando que um texto pode haver mais de uma função, mas sempre há uma que predomina.

1. Função Emotiva ou Expressiva: (eu, sentimentos) Centralizada no emissor, numa expressão pessoal sobre o que é enunciado. Suas marcas típicas no discurso são a presença da primeira pessoa.

Função Emotiva

2. Função Conativa ou Apelativa: (ordem, pedido, propaganda) Centrada no receptor com finalidade de obter da pessoa a quem se dirige o texto um comportamento adequado ao que lhe é dito. Suas marcas linguísticas são a presença da segunda pessoa.

Função Conativa ou Apelativa

3. Função Referencial: (denotativo, jornal, livros) Centralidade no contexto ou referente que permite falar-se dos objetos do mundo, dos objetos perceptíveis ou imaginários. Suas marcas são a terceira pessoa e os dados relacionados ao mundo real (informação).

Função Referencial

4. Função Poética: (brincar com a palavra) Centralizada na mensagem referindo-se a um mundo novo, criado pela linguagem: é a função predominante nas obras literárias, ainda que não seja exclusivo delas.

Função Poética em anúncio

5. Função Fática: (ter resposta) Centrada no canal ou contato entre o emissor e receptor, cuja finalidade é verificar a eficiência do canal de comunicação. Suas marcas são os sinais de interrupção como “não é?”, “entendeu?”, “alô?”. Também são exemplos de função fática as falas da exigência social, em que de fato nada se comunica, além de estabelecer-se uma relação social transitória entre falantes.

Função Fática

6. Função Metalinguística: Centrada no código que permite esclarecer significados do código utilizado e além disso, também caracteriza os textos que falam de si mesmo, os que permitem falar de metatexto, metateatro, etc.

O Itaú criou uma propaganda falando sobre metalinguagem, um comercial para explicar o comercial.

Obs: Neologismo é a criação de uma nova palavra, muito utilizado no universo literário. Veja o vídeo abaixo:

Figuras de Linguagem

Vamos conversar um pouco sobre as figuras de linguagem? Impossível neste post passar todas as figuras, pois são muitas, mas pretendo abordar as principais. Este conteúdo é estudado tanto na disciplina de Literatura, como em Língua Portuguesa. Vocês podem reparar que existem muitas figuras de linguagem em textos literários (poesia e músicas).

Dever de casa: Deixe nos comentários um trecho de uma música e classifique qual figura de linguagem representa. Prometo que vou corrigir.

Os desvios da norma culta que visam ao reforço da mensagem vão constituir as figuras de linguagem.

FIGURAS DE SOM (FÔNICAS)

Assonância

  • Aliteração: repetição ordenada dos mesmos sons consonantais.

ex: “Esperando, parada, pregada na pedra do porto.”

  • Assonância: repetição ordenada dos mesmos sons vocálicos.

ex: “Sou um mulato nato no sentido lato
mulato democrático do litoral.”

  • Onomatopeia: criação de uma palavra para imitar um som.

ex: “Logo o pendulo se movia, de um lado para outro, tique-taque, tique-taque…”

Onomatopeia

FIGURAS DE CONSTRUÇÃO OU SINTAXE:

  • Elipse: omissão de um termo facilmente subentendido.

ex: Naquele país, muitos médicos competentes. (omissão de “há”).

  • Zeugma: omissão (elipse) de um termo que já apareceu antes.

ex: “O meu pai era paulista
Meu avó, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano (omissão de “era”).

  • Polissíndeto: repetição de conectivos na ligação entre elementos da frase ou do período.

ex: “E sob as ondas ritmadas
e sob as nuvens e os ventos
e sob as pontes e sob o sarcasmo
e sob a gosma e sob o vômito.”

  • Assíndeto: a ausência de conectivos na ligação dos elementos da frase ou do período chama-se assíndeto.

ex: “A barca vinha perto, chegou, atracou, entramos.”

  • Hipérbato: Mudança da ordem natural dos termos na frase.

ex: “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante.” 

Pleonasmo

  • Pleonasmo: termos que repetem a mesma ideia com o fim de enfatizar. Trata-se, pois, de uma redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem.

ex: Vi com meus próprios olhos.

  • Anáfora: repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases.

ex: “Olha a voz que me resta
Olha a veia que salta
Olha a gota que falta.”

FIGURAS DE PENSAMENTO

  • Antítese: aproximação de termos contrários, de termos que se opõem pelo sentido.

ex: “Durante o frio, fosse o calor.”

  • Ironia: utilização de termo com sentido oposto ao original, obtendo-se, assim, valor irônico.

ex: O seu aproveitamento na escola não podia ter sido melhor: reprovado em apenas seis matérias.

  • Eufemismo: substituição de uma expressão por outra menos brusca. Consiste em suavizar alguma ideia desagradável.

ex: Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de roubou)

Eufemismo

  • Hipérbole: exagero de uma ideia com finalidade expressiva.

ex: Estou morrendo de sede. (em vez de com muita sede)

  • Prosopopeia ou Personificação: atribuição de predicados próprios de seres animados a seres inanimados.

ex: “Havia estrelas infantis a balbuciar preces matinais no céu deliquescente.”

  • Gradação: apresentação de ideias em progressão ascendente ou descendente.

ex: “Um coração chagado de desejos
Latejando, batendo, restrugindo.”

FIGURAS DE PALAVRAS

Metáfora

  • Metáfora: acontece quando é utilizada uma substituição de termos que possuem significados diferentes, atribuindo a eles o mesmo sentido.

ex: “Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (observe que o que está em negrito passa a designar “pensamento”).

  • Metonímia: é o uso da parte pelo todo. Ocorre quando o autor substitui uma palavra por outra próxima. É usada para evitar repetições de palavras no texto.

ex: Pão para quem tem fome. (pão em lugar de “alimento”)
Eu adoro ler Maurício de Sousa. (ler a obra e não o autor)

  • Catacrese: ocorre quando atribuímos um nome a algo que não possui nome específico, fazendo referências a outras coisas e objetos. ATENÇÃO: É um tipo de METONÍMIA.

ex: céu da boca, asa da xícara, pé da mesa, batata da perna, embarcar no ônibus.

  • Sinestesia: é um jogo da mistura das sensações (nossos 5 sentidos: tato, paladar, visão, audição e olfato).

ex: Ela sentiu o sabor frio da derrota. (sensações diferentes: paladar e tato)